Santificação

"Porque esta é a vontade de Deus, a vossa santificação..."


1 Tessalonicenses 4:3


A santificação é uma doutrina esquecida nas igrejas modernas, que costumam lotar os seus templos propagando ensinos com palavras que afagam os ouvidos dos frequentantes. A tendência das pregações e ensinamentos hoje em dia, nesses mesmos templos, é de palavra amenas, sobre o amor, graça, aceitação, tolerância, etc.


A impressão que temos é que vivemos um novo tempo na igreja cristã, ou na melhor das hipóteses, a transição para um novo tempo. Porque se a igreja chegou até aqui ensinando uma doutrina bíblica e firme, capaz de confrontar os homens nos seus delitos e pecados, calcada na necessidade de santificação, hoje em dia a palavra de lei dentro das igrejas é a aceitação e a tolerância.


Quando um pregador se levanta para pregar palavras bíblicas, deixando claro aos ouvintes que Deus deseja que vivamos uma vida santa, lutando contra a nossa carne e nossas paixões mundanas, advertindo que os pecadores deliberados não herdarão o reino de Deus, este pregador é visto com maus olhos pelos ouvintes e advertido pelas autoridades eclesiais.


A questão, meu nobre leitor, é que a vontade do Senhor ao nosso respeito não mudou, continua sendo a santificação. Lutar contra os nossos pecados é uma necessidade. Examinarmo-nos continuamente acerca da maneira que devemos vivemos, buscando a vontade do Senhor em tudo, nos faz cumprir as determinações da palavra de Deus.


Por esses dias, lendo as epístolas do apóstolo Paulo, tenho observado como a doutrina daquele homem de Deus era firme com a igreja da época, e continua sendo firme com a igreja atual. O apóstolo Paulo não ensinou à igreja gentílica a tolerar o pecado, não! O ensinamento do apóstolo ia na direção de não se associar com irmãos que fossem desordenados e advertir o pecador com amor.


Atualmente, se algum irmão advertir outro irmão que se encontra no erro, várias pessoas se levantam para dizer que este irmão não conhece a graça, que não pode julgar, que não tem amor pelas almas, etc. Que amor é este pelas almas, que a igreja moderna tem, que não avisa ao pecador que a sua vida de pecado levará ao inferno? Que amor é este pelas almas nas igrejas lotadas, que não demonstram a necessidade de viver uma vida santa para agradar a Deus? Pois sem santidade ninguém verá ao Senhor.


Nós ainda precisamos lutar contra os nossos erros, irmãos. Precisamos nos examinar para vermos se estamos mentindo, prostituindo, na maledicência, pronunciando palavras obscenas, cobiçando os bens alheios, se estamos vivendo na lascívia, etc.


Muitas pessoas não estão andando em santidade nas igrejas atuais, porque esta mensagem está sendo omitida em muitos púlpitos, pois a mensagem que está sendo pregada é tão-somente sobre o amor, a tolerância a aceitação e as conquistas materiais, mas não estão ensinando os crentes modernos a andar em santidade para agradar a Deus.


A santidade é separação. Separação das coisas deste mundo.


Nós não pertencemos a este mundo, portanto, não podemos nos apegar a ele e às suas vaidades. Os crentes estão sendo ensinados a conquistar neste terra, enquanto o ensinamento de Jesus era exatamente o contrário, perder neste terra para conquistar no céu.


Precisamos nos santificar. Precisamos reconhecer os nossos erros. Precisamos confessar os nossos pecados. Precisamos lutar contra os desejos da nossa carne, diariamente, para viver uma vida de santidade que agrada a Deus e nos propicia herdar o reino vindouro.


Que Deus em Cristo nos abençoe.


Ev. Sylmar Ribeiro Brito

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo